“Vou preso, mas não vou mais pagar pensão”, diz ‘Mendigo’, ex-Pânico

O humorista Carlinhos Silva, conhecido pelo personagem Mendigo e ex-integrante do Pânico, se envolveu em uma polêmica envolvendo a pensão do filho de sete anos que tem com Aline Hauck, ex-assistente de palco de Gugu Liberato.

Em entrevista ao Câmera Record do último domingo (23/9), Carlinhos afirmou categoricamente que se nega a pagar a pensão do filho e não tem medo de consequências na Justiça.

“Se for pra ser preso, eu vou. Mas não vou mais pagar pensão pra não ver meu filho. Não tenho medo de cadeia. Criança virou um bem, virou um carro, se eu não pagar, eu não ando”, criticou. Em seguida, complementou: “E mesmo se eu tivesse, eu não iria pagar. A não ser que ela pague o tempo que eu perdi com meu filho.”

Após o assunto ganhar repercussão, Aline Hauck publicou “prints” de mensagens que teria enviado para Carlinhos em suas redes sociais, além do registro de momentos como o dia em que levou o filho para dar um bolo de aniversário ao pai.

“Ao contrário do que foi falado por ele mesmo no programa de televisão, que foram feitos vários boletins de ocorrência porque a mãe proibia a visitação do pai com o filho. Que Justiça é essa? Que nunca faz nada com essa mãe? Mentiroso!”, reclamou.

“Ai gente, seria tão bom se eu pudesse expor algumas coisas pra vocês. Aí vocês iam entender quem é quem. Mas tem muita coisa que eu não posso, meu filho não merece. Cada um lavando a sua roupa suja. Mas quem começou foi ele!”

A ex de Carlinhos ainda afirmou que o período que não recebe pensão é maior do que o alegado por ele: “A questão não é conseguir mais pagar. Nunca pagou. São seis anos na Justiça e eu não quis expor isso porque não quis expor meu filho. Dois anos aonde?”

“São seis anos sem pensão! (…) E dizer que ele paga pouco e quero mais? Palhaçada! Cuidado com o que se fala, há consequências!”, escreveu.

Carlinhos, por sua vez, rebateu as falas de Aline: “A mãe postou várias coisas me difamando, mas eu só trabalho com verdades e fazendo o bem, mesmo quando deslizo. Homem é o que sou.”

“O amor não se compra… Dinheiro é dinheiro, amor é grátis. A criança precisa do básico, porém, sempre mandei além disso. Paguei até janeiro desse ano. Nunca posso ver, sempre fui impedido, sempre tinha que ir com polícia, juiz e blá blá blá”, contou, garantindo que possui cerca de 30 boletins de ocorrência envolvendo o caso.

“Cumpri durante seis anos, só que uma hora cansa ser trouxa e palhaço e ninguém te ajudar, muito menos a Justiça”, queixou-se

“Pensão foi aprovada em lei para ajudar no básico do filho. Depois de um tempo, elas já querem 30% do que o pai ganha… Que tal trabalharmos e vivermos a nossa realidade, e não querermos ter e viver invejando a vida do outro?”

Por fim, o humorista partiu para um tom mais ofensivo: “Existem três pensões: a da lei, a que o pai tem condições de pagar e a que elas querem ganhar. (…) Por raiva e vingança, a mulher é o pior bicho que tem, e elas sabem!”

Por Metrópoles.

Comentários