O casal e o morador de rua que enganaram o mundo com campanha de doações

O que parecia ser um comovente gesto de solidariedade acabou se revelando um golpe que enganou mais de 14 mil pessoas e diversos meios de comunicação em todo o mundo.
Tudo começou em novembro de 2017, quando o casal americano Kate McClure e Mark D'Amico lançou uma campanha de arrecadação na internet para Johnny Bobbitt, morador de rua que teria ajudado eles quando ficaram sem gasolina na estrada.
Seria uma maneira de agradecer a generosidade dele.
A imagem da campanha era uma foto de McClure ao lado de Bobbitt, um veterano de guerra viciado em drogas que vivia há vários anos nas ruas.
A legenda dizia que Bobbitt usara seus últimos US$ 20 para ajudar McClure e D'Amico, quando o combustível do carro deles acabou no meio de uma rodovia na Filadélfia.
A história tocou o coração de mais de 14 mil pessoas, que doaram mais de US$ 400 mil no total. A meta inicial era arrecadar apenas US$ 10 mil.
Com o dinheiro arrecadado, McClure e D'Amico compraram roupas e um trailer para Bobbitt.
Além disso, avisaram aos doadores que depositariam o montante em duas instituições financeiras e que usariam uma parte para contratar um advogado e um consultor financeiro para auxiliar Bobbitt a administrar o fundo.

A realidade, no entanto, era muito diferente.

'Bom demais para ser verdade'

A história "que motivou a campanha parecia ser boa demais para ser verdade", disse Scott Coffina, promotor do caso. "Infelizmente, foi isso que aconteceu."
A primeira reviravolta do caso ocorreu em agosto, quando Bobbitt entrou com um processo contra o casal, afirmando que McClure e D'Amico estavam usando o dinheiro como um "cofrinho" pessoal para bancar um estilo de vida extravagante.
A denúncia de Bobbitt chamou a atenção da imprensa, que o apresentou como vítima.
Mas agora, o enredo ganhou novos contornos - os investigadores argumentam que, na verdade, os três são culpados de desviar os fundos.
Segundo as autoridades, o trio inventou a história para comover as pessoas e convencê-las a contribuir com a causa.
Eles acreditam que a foto usada na campanha foi encenada e que teria sido tirada em um cassino, que McClure e D'Amico frequentavam e por onde Bobbitt costumava perambular.
Coffina disse que o casal gastou o dinheiro em um carro, viagens, bolsas de luxo e apostas em cassinos.
https://www.instagram.com/p/BcIee6kFrFl/
Segundo ele, Bobbitt ficou com cerca de US$ 75 mil.

Cúmplice

Milhares de mensagens de texto às quais a polícia teve acesso mostram que McClure e D'Amico estavam com problemas financeiros e não conseguiriam pagar suas dívidas.
D'Amico afirmava que esperava conseguir mais dinheiro publicando um livro sobre a história.
Bobbit foi acusado de ser cúmplice da farsa, embora o promotor tenha se mostrado solidário a sua situação de indigência.
"Toda a campanha foi baseada em uma mentira", disse Coffina.
Ele acredita que o golpe foi planejado um mês antes do lançamento da campanha.
Agora, os três enfrentam acusações de estelionato e conspiração e, se forem condenados, podem receber penas que variam de 5 a 10 anos de prisão.
Bobbit permanece sob custódia, mas o casal aguarda o julgamento, marcado para 24 de dezembro, em liberdade.
Em contrapartida, a plataforma online Go Fund Me, usada para arrecadar a verba, confirmou que os doadores vão receber o dinheiro de volta.
Por msn.com.br

Comentários