Anac: helicóptero de Boechat não poderia levar passageiros

O helicóptero que caiu nesta segunda-feira provocando a morte do jornalista Ricardo Boechat e do piloto Ronaldo Quattrucci não tinha autorização para fazer transporte de passageiros.
Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) , a dona da aeronave — a RG Serviços Aéreos Especializados — não poderia fazer nenhuma atividade remunerada , a não ser de “aerofotografia, aeroreportagem, aerofilmagem, entre outros do mesmo ramo”.
O helicóptero caiu no início da tarde na Rodovia Anhanguera, na região do Rodoanel. Os dois ocupantes da aeronave morreram no local.
A Anac informou ainda que abriu procedimento administrativo para apurar o tipo de transporte que estava sendo realizado no momento do acidente.
A seguir, a íntegra da nota divulgada pela Anac:
“A aeronave de matrícula PT-HPG, acidentada hoje, em São Paulo, era operada e pertencia à empresa RQ Serviços Aéreos Especializados LTDA. A empresa possui autorização da ANAC para prestar Serviços Aéreos Especializados (SAE), que incluem aerofotografia, aeroreportagem, aerofilmagem, entre outros do mesmo ramo. A aeronave acidentada também estava certificada na categoria SAE. Qualquer outra atividade remunerada fora das mencionadas não poderia ser prestada. Tendo em vista essas informações, a ANAC abriu procedimento administrativo para apurar o tipo de transporte que estava sendo realizado no momento do acidente”.
O capitão Augusto Paiva, da Polícia Rodoviária, explicou que o helicóptero tentou fazer um pouso de emergência na rodovia quando foi atingido pelo caminhão, que havia acabado de passar pela cancela de cobrança automática do pedágio instalado na ligação entre o rodoanel e a Anhanguera.
O Centro de Investigações e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) vai investigar o acidente.
As informações são de O Globo

Comentários